O Projeto LIGO e a Teoria das Ondas Gravitacionais

Representação em mapa de calor da colisão de dois buracos negros
O Projeto LIGO e a Teoria das Ondas Gravitacionais
5 (100%) 3 votes

Um dos assuntos mais falados no mundo desde o dia 11/02/2016 é a captação de ondas gravitacionais.

Neste artigo, vamos ver o que são as ondas gravitacionais e o projeto surpreendente chamado LIGO.

Em 1915, Albert Einstein publicou uma das teorias que mais influenciaram a ciência: a Teoria Geral da Relatividade.

Desenvolvendo ainda mais a sua ideia, em 1916 o alemão mencionou a possível existência das ondas gravitacionais. Elas seriam vulgarmente comparadas às ondas causadas por uma turbulência na água de um lago.

Einstein se refere às ondas gravitacionais como vibrações no espaço-tempo e que, quando um corpo liberasse violentamente alguma parte de sua matéria, a energia seria emanada através dessas ondas.

O que o físico não previu foi que, mesmo essa liberação ocorrendo a bilhões de anos-luz da Terra, as ondas poderiam ser captadas por aqui.

A captação das ondas

A dimensão da liberação de matéria de corpos com grande energia (buracos negros, supernovas, etc.) é colossal. Mesmo ocorrendo no espaço quando o nosso planeta era habitado apenas por micro seres, pode ser registrada por nós com a ajuda de um aparelho chamado LIGO.

LIGO é a sigla para Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory (Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferometria de Laser), projeto fundado em 1992 por cientistas da Caltech e do MIT e financiado pela NSF.

Conta com aproximadamente 1000 cientistas e 40 institutos espalhados por 16 países.

Ele (que na verdade são dois detectores gêmeos em Washington e na Louisiana – EUA), observa ondas gravitacionais que vêm do espaço e começou a operar em 2002, com a expectativa de confirmar a teoria de que elas existiriam e ainda mais, que poderiam ser captadas.

A confirmação

No dia 11/02/2016, os cientistas do LIGO anunciaram a detecção de ondas gravitacionais, registradas em 14/09/2015, às 09:51h UTC, que teriam sido liberadas pela fusão de dois buracos negros com aproximadamente 30 vezes a massa do Sol, a 1,3 bilhão de anos-luz da Terra.

Essas ondas também podem ser ouvidas, já que algumas frequências chegam próximas às do som, sendo traduzidas em pequenos sopros e assovios.

Qual é a importância dessa descoberta?

A partir dessa detecção histórica das ondas gravitacionais, podemos entender muito mais sobre o cosmos e as propriedades dos seus corpos misteriosos.

Já que as ondas se movem e dão direção a inúmeras descobertas, agora, onde nossos instrumentos não conseguiam captar nada, choques de corpos massivos e supernovas passam a chamar a nossa atenção com sussurros.


Imagem: Werner Benger

Referências:

O Princípio da Equivalência e a génese da Relatividade Geral – Portal do Astrónomo
LIGO Lab | Caltech | MIT
Ondas gravitacionais, outro passo de gigante – El País
O que são ondas gravitacionais? – El País

Você pode gostar...